Você está navegando por: Notícias Geral
Assine o nosso Feed de Geral

Ação no PI resgata 25 trabalhadores em condições análogas à escravidão.

Publicada em 24 de Agosto de 2016 às 19h17 Versão para impressão

Foram resgatados nesta quarta-feira (24) 25 homens que trabalhavam em condições análogas à escravidão. O grupo foi encontrado na zona rural de São Francisco do Piauí, a 317 km de Teresina, em um alojamento com condições insalubres (sem energia elétrica, fogão improvisado, dormiam em redes armadas do relento) e no local de trabalho não havia banheiros ou material para higiene pessoal. Além disso, os trabalhadores não eram legalizados e não utilizavam equipamentos de segurança individual (EPI).

» Siga-nos no Twitter

A operação foi desencadeada pelo Ibama, Ministério Público do Trabalho (MPT) e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). “Nós já levantamos e conseguimos informações de quem seria o patrão e explorador desses homens. Nosso primeiro passo será a responsabilizá-lo criminalmente por trabalho análogo a escravidão. Além disso, ele pagará multa e indenização a esses trabalhadores", disse o procurador do trabalho Edno Carvalho.

Além dos trabalhadores resgatados, o Ibama apreendeu sete motoserras que eram usadas para o desmate e retirada da madeira.
O inspetor da PRF Jonatas Soares informou que a operação foi realizada após o recebimento de uma denúncia anônima que relatava a retirada de madeira na região. “O nosso serviço de inteligência fez o levantamento das informações e o planejamento da ação, executando e conseguindo êxito em libertar esses trabalhadores dessa situação. A nossa atuação foi de garantir a segurança enquanto o pessoal do Ministério do Trabalho e do Ibama realizavam as atividades de procedimento investigativo e de legalização”, explicou o inspetor da PRF Jonatas Soares.
O alojamento em que eles foram achados não tinha banheiros para necessidades biológicas e os trabalhadores não portavam equipamentos de segurança individual como botas, luvas e capacetes. Eles também relataram que tinham de pagar pelo material que utilizavam para o trabalho.
“Eu percorro todos os dias 100 km pra vir trabalhar. A gente ainda tinha que comprar duas correntes para a motosserra à R$90, comprávamos 80 litros gasolina, pagávamos R$500 pelo aluguel das motosserras e ainda pagava R$300 para uma pessoa que recolhia a madeira cortada. No final, eu tinha de lucro entre R$300 e R$500 em um mês bom”, contou Juscelino Pereira da Silva, de 52 anos, que trabalhava há quatro meses no local.
Também resgatado, o trabalhador Edilson de Sousa Santigo, morava e trabalhava no local há dois anos e sete meses e não tinha nenhum registro trabalhista, assim como os outros. “Nunca tive minha carteira assinada e o patrão nunca me procurou para legalizar minha situação. Já trabalho há dois anos e sete meses e a vida é assim, se eu parar, eu passo fome. Então, tenho que continuar porque se eu não fizer, vem outro e faz. Mesmo recebendo pouco e tendo que pagar essas despesas, sou obrigado a trabalhar”, explicou.
Fonte: globo  |  Edição: Da Redação

Veja também

Comentários (0)

  • Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro.

Comentário

Comente

adsense
Publicidade OZONTEC
Publicidade PUBLICIDADE
Publicidade Assembléia Legislativa (ALEPI)
Publicidade FIEPI
Publicidade FSA