Você está navegando por: Notícias Brasil
Assine o nosso Feed de Brasil

'Doutor Bumbum' e mãe são presos pela PM dentro de centro empresarial na Barra.

Publicada em 20 de Julho de 2018 às 07h53 Versão para impressão

O médico Denis Cesar Barros Furtado, conhecido como "Doutor Bumbum", foi preso na tarde desta quinta-feira dentro do centro comercial Barra Space Center, na Avenida das Américas, na Barra da Tijuca. Ele foi preso junto com a mãe, Maria de Fátima Barros Furtado, por policiais do Serviço Reservado (P2) do 31º BPM (Barra da Tijuca), a cerca de 7 Km do condomínio onde mora, também na Barra. Os dois são suspeitos de envolvimento no procedimento que causou a morte a bancária Lilian Calixto, de 46 anos, e estavam foragidos desde domingo. Denis e Maria de Fátima foram levados para a 16ª DP (Barra da Tijuca).

» Siga-nos no Twitter

— Eles já haviam negociado a apresentação, que aconteceria às 16h. Agora eles serão ouvidos, recolhidos. Vou cumprir o mandado de prisão. Eles não vão para Benfica, ainda tem muita coisa a ser esclarecida. Foi um desfecho satisfatório. A Polícia Milita e a Polícia Civil deram uma resposta rápida - afirmou a delegada, que vai indiciá-los por homicídio qualificado e associação criminosa.

O "Doutor Bumbum" se pronunciou através de cinco vídeos publicados em seu perfil no Instagram, na tarde desta quinta-feira, antes de ser preso. Em seu relato, ele diz que é um mistério a causa da morte de Lilian Calixto e que as acusações de que ele não é médico e que não era habilitado para realizar o procedimento são "injustiças".

"Boa tarde senhores. Como todo mundo sabe, aconteceu uma fatalidade, mas uma fatalidade acontece com qualquer médico", disse o doutor Bumbum.

Imagens gravadas na garagem do Barra Space Center mostram o momento em que o médico e a mãe são presos e levados para a delagacia. Eles são acompanhados por policias civis da 16ª DP.


Outro vídeo mostra o momento em que o médico e a mãe chegam à 16ª DP (Barra da Tijuca).

Os policiais militares chegaram ao médico após receberem informações do Disque-Denúncia. "Doutor Bumbum" e a mãe estavam no escritório do novo advogado dos dois, Marcus Cezar Braga. Mais cedo, policiais do 10º BPM (Barra do Piraí) tinham feito uma busca em Vassouras, no Sul Fluminense, atrás da dupla. Os agentes foram a uma fazenda e a um hotel na cidade, ambos de propriedade do empresário Carlos César Matoso Furtado, pai de Denis. Ele disse que o filho esteve na cidade na quarta-feira, dia 11. Os PMs tinham ainda a informação de que o médico teria comprado um Fiat Punto branco numa concessionária em Vassouras.



Uma denúncia contra o médico foi feita por outra paciente que seria atendida por ele 75 dias antes da morte de Lilian Calixto. No dia 1º de maio deste ano, uma paciente registrou uma acusação contra Denis na 16ª DP (Barra da Tijuca), porém o registro de ocorrência foi suspenso e a investigação parou. A mulher, que não teve a identidade revelada, desconfiou da conduta do "Doutor Bumbum" após ser informada que o procedimento agendado seria realizado numa cobertura na Barra da Tijuca, e não no consultório. A paciente desistiu do atendimento e pediu o dinheiro de volta, mas o "Doutor Bumbum" se recusou a devolver os valores.

A namorada do "Dr. Bumbum", Renata Fernandes Cirne, de 19 anos, foi presa no domingo, após a morte da bancária. Ela foi transferida nesta quarta-feira (18) para o presídio de Benfica. Renata também é acusada de ter participado do procedimento que terminou com a morte de Lilian Calixto.

Nesta quinta-feira, o Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) cassou o registro do médico em um processo ético-profissional. A decisão ainda deve ser submetida ao Conselho Federal de Medicina (CRM), e cabe recurso. Em março de 2016, o “Doutor Bumbum” foi alvo de uma interdição cautelar para o exercício da profissão, a qual foi suspensa três meses depois pela Justiça. O CRM-DF informou que o processo é sigiloso e não deu detalhes sobre o caso. O médico também tem registro profissional no CRM de Goiás.



RELEMBRE O CASO

Lilian Calixto morreu na madrugada do último domingo, horas após ser submetida a um procedimento estético para aumentar o glúteo, realizado em uma cobertura na Barra da Tijuca. Segundo parentes, a vítima saiu de Cuiabá, no Mato Grosso, no sábado, dia 14, para realizar as aplicações de silicone com Denis. O procedimento teria custado R$ 20 mil.

Após a intervenção, a bancária teve complicações e foi encaminhada pelo próprio médico para um hospital particular, também na Barra, aonde chegou ainda lúcida, mas com taquicardia, sudorese intensa e hipotensão.

Ela teve quatro cardiorrespiratórias e não resistiu. A hipótese inicial levantada sobre as causas da morte seria embolia pulmonar, devido à aplicação de produto sintético.

O médico teria usado a substância PMMA na bancária. A sigla significa polimetilmetacrilato, material parecido com plástico, composto por microesferas e utilizado para fazer preenchimentos corporais e faciais. O produto é aprovado pelo Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas indicado para situações pontuais e em pequenas quantidades.

A ENFERMEIRA

A enfermeira Wanessa Ribeiro Reis, de 26 anos, que trabalhou por um período de 5 meses com o Doutor Bumbum resolveu quebrar o silêncio sobre a maneira que o médioco trabalhava. Segundo ela, Denis ficava com parte do produto que vendia a clientes. E que ele e a mãe, Maria de Fátima Furtado, chegaram a ser expulsos de um hotel em São Paulo após transformar o quarto onde estavam numa clínica improvisada.



Sem carteira assinada, ela recebia um salário de R$ 3 mil mais comissão sobre a captação de novos pacientes.

— Com o tempo, passei a notar que ele ficava com parte dos produtos que aplicava nas pacientes. No início, até achei que era normal, mas depois comecei a ver que isso sempre se repetia. Ele vendia 500ml de metacril, por cerca de R$ 10 mil, e aplicava 300ml. O restante do produto, ele vendia novamente para outras clientes — conta a ex-funcionária.

A profissional também passou pelo procedimento de aplicação do produto:

— Fiz e me arrependo muito. Ele dizia que iria ajudar na divulgação do trabalho dele. Fiquei com as nádegas completamente deformadas e muito inflamadas. Ele disse que isso é normal em alguns casos. Tive, inclusive, que fazer um procedimento para tirar parte do produto.



Ela também conta que Denis usava algumas estratégias para conseguir convencer as pacientes a fazerem a bioplastia com ele:

— Fazia uma pressão para as pacientes fecharem com ele os tratamentos, chegava a deixá-las por horas na clínica tentando convencer. Por inúmeras vezes, eu presenciei reclamações de pacientes que tiveram complicações.

Wanessa também guardou um vídeo feito pelo médico em que ele mostra o momento da aplicação do produto em uma paciente. Logo no início das imagens Denis Furtado comenta: "Vai começar o show".

REGISTRO CASSADO

O Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) cassou nesta quinta-feira o registro do Doutor Bumbum, em um processo ético-profissional. A decisão ainda deve ser submetida ao Conselho Federal de Medicina (CRM), e cabe recurso. O médico, que está foragido, é acusado de provocar a morte da bancária Lilian Calixto, de 46 anos, após um procedimento estético dentro de um apartamento na Barra da Tijuca.

Em março de 2016, o “Doutror Bumbum” foi alvo de uma interdição cautelar para o exercício da profissão, a qual foi suspensa três meses depois pela Justiça. O CRM-DF informnou que o processo é sigiloso e não deu detalhes sobre o caso. O médico também possui registro profisional no CRM de Goiás.

" Estão sendo cumpridos os prazos e as etapas administrativas previstas na legislação competente", diz a nota do conselho.

MISS BUMBUM

A modelo brasiliense Flávia Tamayo, de 20 anos, eleita Miss Bumbum Distrito Federal, também passou pelas mãos do médico. Segundo a jovem, que pagou R$ 40 mil para que o médico fizesse a bioplastia em suas coxas, antes de começar o procedimento, ele bebeu junto com ela, vinho e espumante:

— No dia que eu fiz, a mãe e a namorada dele estavam na casa. É uma grande mansão e eles sempre demostram muita simpatia. Lembro que cheguei por volta do meio-dia e só fui atendida às 20h. Durante esse tempo, eles botam música e até oferecem vinho e espumante. Até o Denis bebeu e foi mais do que eu. Achei estranho, mas estava focada no procedimento — relembrou Flávia.





Fonte: globo  |  Edição: Da Redação

Veja também

Comentários (0)

  • Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro.

Comentário

Comente

adsense
Publicidade FSA
Publicidade PUBLICIDADE
Publicidade Assembléia Legislativa (ALEPI)
Publicidade OZONTEC
Publicidade FIEPI