Você está navegando por: Notícias Brasil
Assine o nosso Feed de Brasil

Bolsonaro anuncia general Hamilton Mourão como vice.

Publicada em 05 de Agosto de 2018 às 21h39 Versão para impressão

O Deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) anunciou neste domingo (5) o nome do general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) como vice na chapa para concorrer à Presidência da República. No início da tarde, o PRTB formalizou a aliança.

» Siga-nos no Twitter

Pela manhã, Bolsonaro participou da convenção estadual do PSL em São Paulo. À tarde, também na capital paulista, ao lado de Mourão e de Levy Fidelix, presidente nacional do PRTB, ele comentou a chapa recém-formada.

"No momento, eu deixo de ser capitão, o general Mourão deixa de ser general, nós passamos a ser a partir de agora soldados do nosso Brasil", afirmou ele, que também é militar da reserva.

Hamilton Mourão, por sua vez, defendeu "um governo austero, honesto, sem corrupção, com eficiência gerencial, relacionamento republicano com os demais poderes, ou seja, sem balcão de negócios".

O general provocou polêmicas recentemente por algumas declarações. Ele fez elogios públicos ao coronel Carlos Brilhante Ustra, acusado de tortura, sugeriu que o Judiciário não seria capaz de garantir o funcionamento das instituições e mencionou uma possível intervenção militar no Brasil.

Quarta opção
Bolsonaro anunciou o vice após três tentativas que não deram certo. Antes, ele sondou o senador Magno Malta (PR), o general Augusto Heleno, do PRP, e a advogada Janaína Paschoal, do PSL. Todos recusaram o convite.

O nome de Hamilton Mourão tampouco havia sido mencionado por Bolsonaro como opção durante a entrevista concedida à GloboNews na última sexta (3).

“Ou vai ser a senhora Janaína Paschoal, ou o senhor príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança”, afirmou o candidato. “A gente pensa em um 'plano B'. No momento, o 'plano B' é o príncipe."
Intervenção militar e elogios a Ustra
Antonio Hamilton Martins Mourão é gaúcho de Porto Alegre, tem 64 anos. Entrou para o Exército em 1972 e ficou na ativa até fevereiro de 2018.

Ele ganhou notoriedade em outubro de 2015, quando estava no Comando Militar do Sul e fez críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff. Em uma palestra no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) em Porto Alegre, o general afirmou que era preciso um "despertar para a luta patriótica".

No dia 20 de outubro daquele ano, a frase foi publicada em reportagem da Folha de S. Paulo – parte da palestra já havia sido relatada pelo jornalista Tulio Milman, no jornal Zero Hora.

Em entrevista ao G1, Mourão confirmou ter dito a frase durante a palestra, mas explicou que não se tratava de uma convocação. Segundo ele, a "luta patriótica" a que se referiu é o "esforço e empenho de todos os patriotas no sentido de sobrepujar a crise".

Nove dias depois, o Exército Brasileiro anunciou sua exoneração do cargo de comandante das tropas na região Sul e o transferiu para assumir uma posição na Secretaria de Economia e Finanças do Exército. O Exército não informou o motivo da exoneração.

Mourão permaneceu na Secretaria de Economia e Finanças até o dia 9 de dezembro de 2017, quando foi destituído e transferido para a secretaria geral do Exército, sem função específica.

Na véspera, durante uma palestra no Clube do Exército, em Brasília, o militar havia comparado o governo Temer a um "balcão de negócios".

Dois meses antes, em setembro de 2017, ele sugeriu uma intervenção militar diante da crise política no Brasil. Naquele momento, o presidente Michel Temer havia sido denunciado pela segunda vez pela Procuradoria-Geral da República.

“Ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso”, disse o general Mourão, em declarações publicadas pelo jornal O Globo.
Mourão entrou para a reserva do Exército em fevereiro de 2018. Na cerimônia de despedida, disse que o Judiciário deveria "expurgar" Temer da vida pública.

Na mesma ocasião, segundo o jornal O Globo, ele chamou de "herói" o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, que morreu em 2015, aos 83 anos, e foi chefe do DOI-Codi do II Exército, em São Paulo, órgão de repressão política durante a ditadura militar.

Em 2012, Ustra foi declarado torturador pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Hamilton Mourão assumiu o comando do Clube Militar em junho deste ano. Jair Bolsonaro esteve presente na cerimônia de posse, no Rio de Janeiro.
Fonte: globo  |  Edição: Da Redação

Veja também

Comentários (0)

  • Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro.

Comentário

Comente

adsense
Publicidade OZONTEC
Publicidade PUBLICIDADE
Publicidade FIEPI
Publicidade Assembléia Legislativa (ALEPI)
Publicidade FSA