Trump suspende por 3 meses plano de aumentar tarifas a produtos da China.

Publicada em 02 de Dezembro de 2018 às 11h27 Versão para impressão

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, concordou neste sábado (1º) em suspender durante 90 dias o seu plano de subir de 10% para 25% as tarifas americanas a produtos chineses no valor de US$ 200 bilhões, enquanto negocia com Pequim "mudanças estruturais" a sua política econômica.

» Siga-nos no Twitter

A Casa Branca fez o anúncio em comunicado depois do jantar de Trump com o presidente da China, Xi Jinping, ao final a Cúpula do G20 em Buenos Aires. A informação também foi confirmada pelo governo chinês. O acordo aconteceu após reunião de duas horas e meia.

O ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, que esteve presente no encontro, destacou que se trata de um acordo "importante", do qual só revelou que ambas as partes pactuaram não aplicar tarifas adicionais a partir do dia 1 de janeiro.

Este acordo, disse Wang, citado pela agência estatal "Xinhua", marca a direção das relações sino-americanas para o futuro, que serão baseadas na cooperação "e na estabilidade".

Por sua vez, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, explicou após a reunião que Trump concordou em suspender durante 90 dias o seu plano de subir de 15% para 25% as tarifas americanas a produtos chineses no valor de US$ 200 bilhões.

Em troca, acrescentou, Xi se comprometeu a aumentar "substancialmente" as suas compras de "produtos agrícolas, energéticos, industriais e de outro tipo".

Nos próximos 90 dias as duas potências tentarão completar as negociações em matéria comercial e se quando acabar esse período não houver acordo, "as tarifas de 10% subirão para 25%", acrescentou Sanders.

Com os Estados Unidos e a China presos em uma disputa econômica que abalou os mercados financeiros e pesou sobre a economia mundial, Trump e Xi sentaram-se com seus assessores para um jantar no final de uma reunião de 2 dias de líderes mundiais na Argentina.

O ministro das relações exteriores chinês, Uangue Xi, disse que as negociações comerciais foram positivas e construtivas.

Trump disse a Xi no início da reunião que esperava que eles pudessem alcançar "algo grande" no comércio para os dois países. Os líderes terminaram suas conversações, com Trump indo para o aeroporto para a partida programada para a noite de sábado para Washington.

O encontro aconteceu pouco depois que o grupo dos 20 países industrializados apoiou uma revisão do órgão global que regula as disputas comerciais internacionais, marcando uma vitória de Trump, um crítico agudo da organização.

Trump teve uma nota positiva quando se sentou à frente de Xi, apesar das ameaças anteriores do presidente dos EUA de impor novas tarifas às importações chinesas. "Vamos discutir comércio e acho que em algum momento vamos acabar fazendo ótimo para a China e ótimo para os EUA", disse Trump quando um pequeno grupo de repórteres foi brevemente autorizado a entrar na sala.

Ele sugeriu que o “incrível relacionamento” que ele e Xi haviam estabelecido seria “a principal razão” para que eles pudessem progredir no comércio.

Xi disse a Trump que, somente através da cooperação, os EUA e a China poderiam servir aos interesses de paz e prosperidade. As duas maiores economias do mundo também estão cada vez mais em conflito com a segurança na região da Ásia-Pacífico.

Ao mesmo tempo, Trump ressuscitou novamente com Xi sua preocupação com o sintético de opióide enviado da China para os EUA, pedindo ao líder chinês que o coloque em uma “categoria restrita” de drogas que o criminalizaria.

Mais cedo neste sábado, os líderes de todas as principais economias do mundo pediram reformas na Organização Mundial do Comércio, atingida pela crise, em uma declaração final de sua cúpula.

As autoridades expressaram alívio pelo acordo sobre o comunicado da cúpula depois que os negociadores trabalharam durante a noite para superar as diferenças em relação à linguagem sobre as mudanças climáticas.

O texto final reconheceu o comércio como um importante motor do crescimento global, mas fez apenas uma referência passageira às "questões comerciais atuais", depois que a delegação dos EUA venceu uma batalha para manter qualquer menção ao protecionismo fora do comunicado.

Fonte: globo  |  Edição: Da Redação

Veja também

Comentários (0)

  • Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro.

Comentário

Comente

adsense
Publicidade Assembléia Legislativa (ALEPI)
Publicidade FSA
Publicidade OZONTEC
Publicidade PUBLICIDADE
Publicidade FIEPI