Renato Góes fala do desejo de ser pai: Meu útero está coçando?

Publicada em 14 de Abril de 2019 às 20h16 Versão para impressão

Renato Góes está focado em Jamil, seu protagonista em Órfãos da Terra, mas não esquece nem um segundo da vida pessoal. O ator conta que há cerca de quatro ano pintou um desejo de ter um herdeiro, mas somente há pouco mais de um ano, quando começou a namorar a atriz Thaila Ayala, esta vontade tem se tornado ainda mais latente.

» Siga-nos no Twitter

“Estou com 32 anos e meu útero está coçando também, assim como já tinha dito o João Vicente de Castro. Quando eu tinha 28 ou 29 anos, comecei a ter muita vontade de ser pai, mas ainda era algo distante da minha realidade. Depois de conhecer a Thaila, já nos falávamos sobre isso, ela também tinha vontade e isso ainda aguçou mais”, explica.

Romântico, o ator confessa que também tem vontade de se casar em uma igreja católica, religião que professa, em uma cerimônia formal na cidade de Recife, onde mora sua família.

“Se tudo certo, a gente ainda casa este ano. Só não sei se com festa. Ela também quer ter um filho, mas quer casar primeiro. Por mim, a gente já teria agora! Acho legal pensar em casamento, queremos fazer algo mais formal, fazer isso na igreja para que minha avó esteja presente”, detalha.

Trabalho

Estudante de História em uma universidade do Rio de Janeiro, Renato está encantado com o novo desafio de retratar a vida dos sírios na nova novela das 6. Ele diz que este trabalho é um serviço necessário e humano na atual realidade de guerras no Oriente Médio.

“Representar isso com a Julia Dalavia e com a Alice Wegmann, além de um elenco incrível, é muito especial para mim. Eu preciso trazer muita alegria para representar as pessoas em refúgio que conheci. A chegada ao Brasil é como se fosse o início de uma nova vida e esperança. Nosso lema é entender o verdadeiro lado dessas pessoas que saem não como fugitivos, mas como vítimas. Eles entram em um barco e nem sabe se vão chegar do outro lado. Isso é uma situação grave. Não temos ideia do que acontece. A gente tem de recebe-los aqui e propagar o amor. O Líbano, por exemplo, que tem uma população de 2 milhões de pessoas, abraçou 1 milhão de refugiados e o mundo precisa fazer isso também”, salienta.

Três meses antes de começar a produção, o ator já estudava a cultura, religião e a língua do povo de Jamil, seu personagem. Ele se comprometeu a aprender corretamente a sonoridade de cada palavra dita em árabe em respeito a esta população.

“Este foi meu grande ponto de conexão com este povo e esta história. Eles têm tanto respeito com a língua, que me vi na obrigação de ter o mesmo, então corria atrás. A gente fala muitas palavras em árabe e nos comprometemos a falar muito bem o que é dito e continuar com o português correto. Uso uma embocadura mais fechada, com menos ar, o que ajuda. Já me peguei usando este mesmo jeito de falar fora das cenas. É muito gostoso”, confessa.

Em Os Dias Eram Assim, Renato também ganhou o papel de protagonista, mas não se acha um novo galã da Globo. O ator prefere dar os créditos ao personagem, que é mocinho da trama das 6.

“Eu acho que esse rótulo é atribuído ao personagem, assim como faço papéis no cinema que não têm essa característica, mas uso dessa ferramenta para alguns personagens. O Jamil é um cara que foge da razão e vai atrás do coração, consegue abrir os sentimentos e busca ajudar alguém para o que ele fechava os olhos. Essa é vertente do herói. Já estou transformado com ele.”

Fonte: globo  |  Edição: Da Redação

Veja também

Comentários (0)

  • Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro.

Comentário

Comente

adsense
Publicidade OZONTEC
Publicidade PUBLICIDADE
Publicidade FSA
Publicidade FIEPI
Publicidade Assembléia Legislativa (ALEPI)